Lembro que chovia......



Lembro de que chovia
As águas dos meus sonhos se completam vagamente
Entre um intervalo e outro, folheio as paginas da alma
Buscando da penumbra, a complexidade dos sentimentos
    Sei que não estou sozinha, o silêncio se faz presente.

Um olhar na janela, vejo no reflexo a minha presença
Sábados de outonos os pingos pelo vidro descendo
Gotas da chuva escorrendo formam seus mantos
Tanta beleza perdeu-se com sua sua ausência o encanto
Afirmo a mim mesma, o tempo eterniza este instante

 


Retrados


Um dia destes vasculhando o coração
Fatos vivência pensei em meu irmão
Das noites enluaradas refletindo nossas sombras
E iluminando a estrada nas madrugadas longas


Caminhavamos  pequeninos feitos andarilhos
com o barulho das folhas o Ventos frio
Vultos nos pastos... pareciam imagens
Idas e vindas arvoredos as casas e a ventania
Amedrontada não entendia estas miragens

De mãos dadas pequenos e Sonolentos
Nossa mãe doente em prantos e andar lento
Tanto sofrer sua dor não tinha alento.........

Foram tempos rabiscados de carências
testando nosso afeto deixando rastrilhos ....
Envadindo os sentidos dedilhando pedências.