Condenada a...poetrix

Esquecer-te.....

Juro que tento

mas sua lembrança me corrói......

como um veneno lento.....

que escorre pela alma

impedindo o esquecimento.......

Antes que flores murchem

Em busca de atenções que me prendem
Tenho urgência de sair pra rua pra vida
Sair... sem barreiras e sem esquinas
E na noite ser dona da minha sina

Das madrugadas clandestina
Ando a deriva ... Eu nada sei ...

Volto ....
Fecho a porta e deixo as sombras la fora
Entro com este vazio dormente...
A razão me transpassa a mente
e me desencanta
Me percebo dividida/rasgada/pela metade
Com meu intimo despedaçado

Triste antes que murchem as flores
Junto os sonhos e minha auto estima
Alinhavo meus passos rumo ao sol !
Emerjo por entre as brumas e escarpas
Para continuar minha peregrinação.

Chove lá fora




Águas da chuva em mantos se formam 
Seus pingos pela janela descendo 
Sozinha com meu coração desconexo  
Olho la fora e vejo os reflexos 
Eu a chuva e minhas lembranças
 Na penumbra folheio as paginas da alma
Conflitos /sonhos misturam seus elementos


Em gotas cintilantes se transformam
Deixando o Outono ainda mais estupendo


Sinto o silêncio com esperanças
Escurece busco clareza destes sentimentos


Pressinto no corpo toda uma ausência
Estranha saudade esvaiu-se em pranto
a beleza foi-se e perdeu-se em desencanto