amores de quinta


Apenas escritas:
Hoje quinta feira penso que é um dia de muita categoria.
Mas a quinta chegou e devorou minhas expectativas
Expectativas de um amor equilibrado
 sobrou agora uma obsessão de quinta.
 A quinta devorou meus sentimentos,
 restou só argumentos de quinta.
 Eu estava cheia de amor
 A quinta levou e apenas deixou o desapontamento de quinta.
 O homem romântico tão sonhado que vinha cheio de boas intenções.
 Despachei...
Foi embora com pensamentos de quinta.
Tudo que é de quinta evito como o Diabo da cruz.
Amor de quinta
 ninguém merece, sofrimento de quinta menos ainda
Emoções de quinta é o fim.
Os sentimentos tem que ter Sabedoria
Assim é em minha vida tudo de grandesa.
 Família  Amigos. Amor Paixão..


O mar me fascina



Caminhando na praia num final de tarde dourada
Olhando o infinito azul do mar se acabando la longe 
Meus pensamentos vão até lá vasculhar
Eu e a imensidão liquida 
Que não se pode desenhar escrever ou traduzir
O mar me desafia, me seduz
Sinto na pele o vento a água o sol o calor o frio
 Sensação estranha louca me prende por lá.  
O mar liso como um espelho... me olha sereno
Engoliu meu Estado e minha cidade.
Drenou meu ser e me misturou as marés
E me jogou de volta na praia ...


Me devolveu para onde eu estava onde eu tinha que ficar 
  Onde eu escrevera meu nome.
Minha identidade com retrato endereço
Minhas contas e meus cartões de consumo

Apanho minhas memórias espalhadas pela areia,
De alma lavada esfregada e remodelada
Sigo minha jornada para a realidade.






Ventos de primavera


Dias claros roupas no varal
Ao sopro do vento  
Espalhando suas cores 
Vibram com a sensação de liberdade
Dançando o ritmo dos estampados  
Ora se tocando ora se abraçando 
Acenando.. acenando despedidas
Num lindo entardecer de setembro

prosa poética dos meus devaneios



Tarde completamente primaveril sinto uma brisa leve
Do meu apartamento olho a janela e vejo muitas janelas
Da janela de incontáveis mundos de outras pessoas
Com olhares espalhado aguardando o por do sol


Da minha janela
Vejo ruas estreitas cruzadas e movimentos
de pessoas apressadas
Rua inacessível como as veias do meu corpo
Sinto a vida e  ponho sentimentos em tudo.
Até em paredes de concretos
Das coisas por baixo das pedras
E dos seres que por lá  passam
Vejo horizontes 
nevoados se distanciando
vários tons verde cinza em camadas densas
 Riscando linhas norteando as rotas das estradas
Que logo depois desaparecem no profundo invisível
Expondo-as a imensidão do nada

Da minha janela  sinto tudo... 



A vampira....






Sangue correndo nas
veias e mil idéias muita sensibilidade telúrica
***
A Vampira  
Muda e silenciosa nada revela
É sempre muito sombria
Sou eu e ela com sua cor ...
Sempre sombreada
Basta um clarão qualquer 
Dias de sol ou
Noites de lua cheia 
Luz de uma lamparina
Ou de um holofote qualquer
Crente de estar completa
Ali divina sem sangue aparece
Miragem num espaço limitado
Num vulto  transformador e misterioso
É preciso olhar mais.. dar vida com movimentos  
Já de prontidão feito um guarda costa
Ou quem sabe minha carcereira
Um porteiro no seu posto
Pode até ser meu anjo da guarda!
Para me proteger ou será  
pra me iluminar !!!!




A minha Irmã



V-i uma bela  arvore que floriu em seu tronco  
A-lgum dia foi  um belo Ipê  florido sob as nuvens 
N-as suas frondosas ramas o lenhador se acomodava 
D-ias se passaram e sua linda  sombra o atormentavam    
A-ssim Insatisfeito sempre com seu machado apontava 

W-ivia num pesadelo ameaçada a ficar sem seus  ramos e folhas
A-h! passaram-se os anos  o asqueroso lenhador ainda a  picotava    
S-ugando o nectar e farejando  seus pensamentos 
S-im...  aquela arvore frondosa que rodeava todo o quintal   
E-mbora resistindo, num determinado  tempo virou tronco  
R-espirava iluminando todo o espaço daquele lugar sem cuidado
M-ais se impôs aos anos segurou-se no estio se moldando a vida  
A-rremeçou-se da terra o tronco floresceu  suas flores seus frutos 
N-unca desistiu esta lá no quintal da casa soberbo e majestoso.  





Este é meu Lugar

Este é meu lugar

Minha cidade e contornada pelo rio Itajaí-Açu
Deslumbrando a paisagem como uma serpente de cristal
Quando raivoso não perdoa e a invade com águas lamacentas
Se tranqüilo ou bravio ele é aceito e amado por seus habitantes
Ele é a cidade e a cidade é Dele
Com a Igreja matriz e sua majestosa torre sombreando o lugar
Como se ali estivesse não por ser bela... mais para proteger
Este lugar situado entre verdejantes montanhas
Escondida entre vales que as vezes nem o sol a encontra
...no inverno as sombra se delineiam revelam seu rosto
Debruçada na ponte expondo uma cidade fria e cinzenta
Crepuscular. Mesmo assim encantadora e apaixonante

Próxima a cidade do porto e dos cais com  andorinhas e gaivotas
Minha cidade tem personalidade não é só um nome entre tantos
Reteve a magia no idos passado de famílias que aqui se fixaram
Preserva suas origens costumes tradições e suas October-fest
Com suas ruas estreitas canteiros de flores bosques e cachoeiras
 Grande casas coloniais gerânios na janelas flutuando em cachos
Cidade Poema às margens do rio com bancos pra sentar
 Sentar e apreciar a beleza das águas seguindo seu curso
Aqui nasci e aqui vou ficar
Quando vou viajar dá um saudade e logo quero voltar
Meu lugar é aqui em Blumenau  ******




Escape

Escape 

...Como escape as vezes submerjo 
Não para desaparecer mais sim procurar
Marcas e sobras do presente
No precipício da alma   
Traços que me deixam completa
Estão embrenhadas ou jogadas
Sem razão ou porques
Em algum canto do meu Ser
Apenas esperando ser resgatada
Com promessas que se ausentam
Nesta solidão que desagrava  

La estou nas profundezas para ser colhida 
Delicadamente 
Ccmo uma turmalina ha ser esculpida. 




Cores de Agosto



Cores de Agosto 

Agosto é mágico em sons cores e vibrações 
Verde das matas fechadas galhos se entrelaçando 
Branco mudanças de ideias conceitos e conspirações
Amarelo Dourado das sementes no chão se procriando
Vermelho das rosas  das luxurias e das grandes paixões 
O Azul chega sem aviso o infinito conspira encantamento

Existem muitas coisas escondidas e insondáveis em Agosto 
Há no ar nostalgia prazer euforia em cósmico alinhamento
A natureza se funde como numa obrigação de acontecer 
Estamos todos nesta engrenagem vital e devemos perceber 
Ir e voltar  repensar avaliar  ultrapassar e seguir 
Agosto o oitavo mês da lenta separação de Julho
Flertando Setembro fascinado na primavera em cores


Ah...este Agosto pra mim tem cor...vermelho 

Não vou te deixar ir ...


Hei você...de olhar escuro da cor da malicia 
Que faz me sentir tão importante
Mesmo eu não querendo
Você que entende meus gestos e meus medos
Meus caminhos fantasiosos protege meus devaneios
Partilha do meu mundo tão cheio de segredos 

Você entende meus textos carregados de emoções
Tantos sentimentos marcados, sentidos e vividos
E quando extrapolo sou inteira letras e versos    
Viajo nos meus textos nem sempre sensatos 
 Histórias criadas mas que necessitam de vínculos

 Você me enxerga e voa junto com meus pensamentos
Como uma flor em extinção guarda-me com amor 
Deixa-me florescer me decifrar em idéias  
Feito um mago me dá colo cheiro e afago 
Você é pra mim ... meu sonho esperado
A vida me ofereceu e me favoreceu
Eu te amo é tudo que eu tenho.
E não vou te deixar ir


Inverno no Sul


Haikais Tankas

Inverno Sulista 

Fim do dia 
Jantares em família 
Ruas Vazias 

Vivemos enclausurados 
Em panos Embrulhados 

*******************
E no Outono 

Chão florido 
Vento morno
coração dolorido

Como filha de Outono
Carrego minhas dores sem gemidos


Estrela&vaga-lume



Vagam promessas na escuridão feito fagulhas

Parecem vaga-lume de vidas curtas

Fingindo serem estrelas


Serpenteiam no ar como plumas

Confundindo as mariposas noturnas




Só se for Amor !!!

Se não for amor, me nego 

Por estes ásperos caminhos já  andei  

Se não for amor, renego 

Sei pra onde carrega...cai e levantei  

Se não for amor, sinceramente não quero

Não pense que é medo ou desvario 

Por estes labirintos me perdi e retornei   

Se não for amor, me apegar não devo

Na alma senti os espinhos de amor vazio

Batalhas que sai ferida e venci  

Se não for amor, nem chegue    

Delírios e obsessões machucam e aprisionam 

Já declarei estampei me tatuei  

De paixões frustadas e insanas me distancio.  

Invictus ( William Ernest Henley ) lido tds os dias na prisão por Nelson Mandela

Invictus 

Dentro da noite que me rodeia
Negra como um poço de lado a lado
Agradeço aos deuses que existem
por minha alma indomável

Sob as garras cruéis das circunstâncias
eu não tremo e nem me desespero
Sob os duros golpes do acaso
Minha cabeça sangra, mas continua erguida

Mais além deste lugar de lágrimas e ira,
Jazem os horrores da sombra.
Mas a ameaça dos anos,
Me encontra e me encontrará, sem medo.

Não importa quão estreito o portão
Quão repleta de castigo a sentença,
Eu sou o senhor de meu destino
Eu sou o capitão de minha alma. 

Incertezas&desapegos


releitura do poema escrito por mim  03/03/10

Desapegos

Quando clareia o dia demoro para existir
Lentamente sinto-me invadida por hesitações
Vão e vem se apoderando roubando sensações
 Me ausento de clareza  só quero dormir

Quisera só viver e sonhar de grandezas
Desta forma da rotina me isentaria
Quietinha aproveitando aconchego ficaria
Responsa quer emergir e me impor incertezas

Sonolenta olhos ardendo, lavo o rosto na pia
No espelho vejo todas as ausências e desapegos
Escorem da minha alma devorando meu dia.



Encontro

Passou me olhou e me provocou
Senti algo envolvente ali acontecer
Novamente passou e me elogiou
Deixe-me levar, senti meu corpo estremecer

Corpos quentes tão perto exalam desejos
Olhamo-nos e já sentíamos o que ia acontecer
Eu quis fremente as mesmas coisa que você
Não excitei como uma amante impetuosa me doei

Envolvi-me em seus lábios tentadores
Sacie meus líbidos me despi de todos os pudores
Arranquei laços e botões em afarfos e delírio .
Num prazer feito fagulhas nos amamos sem equilíbrio
durante horas de puro sabor 



não me deixe ir

Não me deixe ir... por sua insensatez


Preciso de você em cada palavra que escrevo 
Como um escritor para justificar seus relatos
Preciso de você para remendar meus erros 
Transformar os dias, semanas, anos em fatos

Preciso de você, como o desejo de um afago
Assim como namorada ou um amor seduzido 
Como uma amizade precisa de um abraço 
Assim como um vazio há ser preenchido..

Preciso de você para me inspirar
Me arrancar desta tênue insanidade 
Dar lucidez aos meus sentidos e alimentar   
Preciso de você para dar continuidade...




Amor bandido ( soneto)

Amor bandido que sonhos furtas 
Esvaziando alma de quem seduz 
Vivendo de histórias curtas 
Seu mundo medíocre é escuro sem luz

Sobras de cascalhos um quase nada 
Oferece afagos beijos odores e nuances 
Refém te faz como numa estrada fatigada 
Sem nunca poder viver um romance 

Transmutado hora demônio hora anjo 
No vazio de si mesmo ele rasteja 
Invadindo vidas intimidando e manipulando 

Há nele dentro e fora saudades carências 
Na frieza do coração, seu negro mundo constrói
Quem o ama  este amor feroz vicia e doí......

A duvida (poetrix)


Manhãs douradas

                       O sol floresce na janela


  Na mente ...

Idéias  germinadas.


##==##==##
Perdeu... 

Ele não chegou 

                                    Ela também não esperou 

                                                         Sobraram letrinhas 

                                                                                 Tempo apagou  


Carta@deamor.com


Eu Sempre aqui sozinha e de repente você 
Agora nem sei o que somos     
Se um casal ou apenas um caso   
Apenas sei que somos mais do que um amor de verão 
Mais que simples ficante. Como se já pertencêssemos 
Um ao outro. Quando nos olhamos sentimos e exalamos paixão.   

Combinamos não complicar essa relação  
Mesmo nos amando adorando e transpirando paixão
Nada impedirá que um dia tudo isso termine.
Levaremos nosso amor dentro do peito
Não choraremos. Mas sofreremos...
E por longo tempo nossos corações sangrarão

O antes, eram paginas em branco...
O futuro ninguém quem sabe ??
Pra que este tipo de preocupação 
Temos pressa de viver 
Toques sentimentos e desejos escondidos
Nosso amor é um instante no tempo...
Quando o sol nascer de novo,
Talvez não reste nada de nós
A não ser lembranças e segredos permitidos





amor de internet (Ficção)


Era um mês qualquer deste ano ... 
Quando te conheci...
Teclamos e de repente uma imagem na tela 
Era você ali na minha frente tão perto e tão distante...

Fico pensando que outra forma eu iria te conhecer !
Estava eu despreparada eramos completos desconhecidos
Agora eu sei!
Nada é por acaso...
Até mesmo na internet!
Um simples “oi” ou "tecla da onde" ? pode transformar duas vidas!

Os dias foram passando... aos poucos nos conhecendo...
Nos envolvendo...Skype...Telefones...Mensagens...
Saudades...
Assim aguardamos com ansiedade a hora chegar 

Quando nos olhamos nem precisamos falar  
Porém num sorriso meio sem jeito ...
Começamos a teclar doidamente 
Para segurar o que temos naquele momento.
Nossa imagem refletida na tela e nossas mãos no teclado

Em meio a essa tempestade de sentimentos...
E aquela vontade louca de estar próximos
Precisamos teclar e teclar numa volúpia louca 
como se assim pudéssemos fisicamente. nos tocar

Enquanto sigo minha vida ... fico a me questionar   
Vou  largar meus medos em qualquer lugar
Viver esta história de paixão e acreditar 
Neste teu olhar falante ... sem temor mergulhar

Amo o mundo ....


Quem sou? Pergunta instigante

Para quem me conhece

Sou um anjo de muita candura
De sorriso tímido faceiro e inocente
De olhos verdes outonal
Cabelos loiros como um campo de trigal
E uma voz melodiosa
Como acorde de uma musica angelical




Para os que não me conhecem
É um pouco mais complicado
Provoco sentimentos profanos
Insuportável aos corações humanos
Sou um Anjo vadio de olhar libidinoso
Que enfeitiça com seu jeito tendencioso
Se insinua com pensamentos voluptuoso
Um livro proibido de escrito meio duvidoso


Mas sou uma amante apaixonada
Sou a musa inspiradora que envolve
Que seduz o poeta e o inspira a sonhar
Aquela que não é esquecida
Sou aquela que é chamada para amar
Sou a luz que afugenta a escuridão
Sou a força a delicadeza o amor a paixão
A resposta a dúvida a certeza


Se fosse enumera-las tenho mil razôes


As três Marias /Marilene Marinati e Maria




Desafiando a racionalidade do momento
Busco em minhas lembranças distantes
Rimas para me expressar e encantar
Vem a liberdade, coragem e percepção
Armazenando e resgatando vivencias
Lembranças que alimentam minha alma

A lua vermelha iluminava o mar de Mariscal
Emoldurando uma visão unica cintilante
Harmônica e fugaz
Como se pudessem ser tocadas
Me vejo olhando o céu de Mariscal
Em busca das três Marias

Somos como as três Maria
Sobrevivemos ao tempo e a uma amizade
Nascida na Adolescência
Aos nossos sonhos demos outras formas e sobrevivemos
Amparamos nosso viver nas ondas da alegria
Amaduremos e seguimos nossos caminhos
Conscientes das barreiras e dos limites impostos pela destino
Somos estrelas transitando juntas e misturadas
Em universos diferentes porém no mesmo Céu...

Beijos carinhosos
As três Marias


Ilusão



Rascunho de sonhos

Remexo em meus guardados
esvazio gavetas...Evito espelhos
e encontros . E  sentimentos agregados
Completo desinteresse  com  sentidos alheios 

Estou só.... apenas eu 
Sem apegos outros encantos  a ficar 
Outros interesses... meu mundo emudeceu
preciso de alguém para admirar 

Para minhas insonias uso  de aliados fortes 
  me acalmam  a respiração
inundam meus sonos e me dão suporte 

Ao acordar toda manhã... o que foi que perdi.
Motivos...razões... que deixei passar e não vi
Quero  de volta ilusão de me apegar