Contos e encontros



Foi numa tarde de sábado, musica muitas gente e você.
Alto galego camisa listrada de olhar maroto sorriso jovem.
Desajeitado me convida a bailar e divide sua bebida.
Como um beijos camuflados tomando no mesmo copo.
E desta forma trocamos muitos beijos em publico. 

Olhávamos olho no olho e nos acariciamos com o olhar 
O ambiente a musica tudo favorecia e deixei-me levar 
Num impulso entrelaçamos nossas mãos e caminhamos.
A musica continuou la longe, pessoas passavam por nos
Mas não enxergamos mas nada, eramos só nos e o universo
Vibrando nosso encontro 

Conversamos sobre as adversidades da vida e nos beijamos
Os momentos cinzentos, foram ficando luminosos.
Os momentos áridos foram ficando suaves
inseguranças e indecisões foram desaparecendo.
E ali naquele abraço aconchegante nos apaixonamos 







O Inevitável

      
 O Inevitável

Os anos chegaram corroendo minha certidão de idade, minha genealogia e até meu endereço.
Os anos vieram amarelaram meus cartões de visita e desvalidou meu nome, minha identidade, meu rosto bonito no porta retrato. Chegou sem que eu percebesse e devorou todos os papéis onde eu escrevera meus sonhos minhas lembranças agora me sinto uma invisível.
Enfim os anos fez parceria com o tempo me deixou anestesiada e faminto comeu minhas medidas apertou minhas roupas alargou meu corpo enfraqueceu meus ossos.

Me deixou sem lagrimas e mesclou meus cabelos. Como um vampiro entrou e sem dó nem piedade me carimbou em códigos de barra com prazos de validade...


Sou uma mortal, talvez fosse bom ser uma imortal, viveria sem estas preocupações citadas preencheria meus dias anos pela eternidade fazendo o que queria. 
A  morte eu assustaria. Não seria fácil mais eu tentaria novamente e novamente  
Determinada vivo um dia de cada vez, ignorando o tempo, criando estratégias me camuflando para viver bem os prazeres que a vida me oferece. 
São tantos que contarei noutra oportunidade. 






reflexão de um dia normal




Refletindo em dia normal flutuei nos meus pensamentos .
A angustia me bateu como pingos de chuvas ácidas no meu rosto
Pensar nas pessoas lá fora pelo qual tenho laços afetivos,
Esquecer as projeções enrealizavel por algum acontecimento
Compreender que tudo que acontece e minha própria Historia

Meus olhos transbordam uma saudade de alguma coisa que ainda não vivi
Tento em poesia e versos inventar momentos e pessoas
Por dentro e por fora e reconhece-las por algumas felicidades que me deram pelo caminho.
Por aqueles que sorriem comigo no porta-retratos na estante.
Esta mistura de sentimentos entram e se misturam em mim
Tenho dificuldade para atravessar o abismo da separação

Foi-se a época da deslumbrada que habitava em mim
Sim... por razoes adversas ou por mágoas ela foi confiscada
A deslumbrada que estava sempre de bem com a vida
Que ria muito de tudo que se deliciava com os risos dos outros,
Me impedia de cair. aquela era eu...
Mas o tempo escorregou e também a Levou
Imagens marcadas aqui ali nada inteiro só metades
Rascunhos de amor paixão tolerância e mais nada...