Apenas reflexão


Ao apertar as vista para mirar o horizonte
Tudo opaco nem os pensamentos escaparam 
Atordoada observo minha vida de ontem 
Estou invesivel onde estão os que me amparavam

A angustia me consome como um intenso clarão
Me jogo feito um pano transparente solto ao vento 
Tinjo minha mente como uma noite riscada em carvão 
Impedindo-me de enxergar; Minha alma implora alento

Começo a vagar procurando sonhos no tempo
Nem sei ao certo onde! se numa caixa embrulhada  
Ou num velho relogio deixado de lado ao relento
Ou talvez numa gaveta antiga abandonada

Nesta procura nada encontro só vazios pensamentos
Saio a procura do que restou como uma rainha sem trono
Sem opção deixo minha alma sair a favor do vento
A procura de um gota de esperança sem dono.


Nenhum comentário: