pintando o sol



Como pedaços de plásticos transparentes.
Olhava pingos de chuvas na janela agarrados
Desapontada esperava um amanhecer diferente.
O sol beijando a terra em gestuais dourados

Sol fuia a vida, o cinzentado do dia seguia vagarosamente.
Diz à lenda que um dia assim e chamado de encardido
Natureza melancólica pálida nos encara tristemente
Escondendo o sol com chuva fina e chuviscos contidos

Pensei então num lugar longínquo simples esparamado
Me juntei a natureza num dia qualquer e diferente
Como se fosse água clara da fonte em vasos plantados
Havia verdes matas e jardins pintados inreverentes


Nenhum comentário: